anúncio dopc

anúncio dopc

Evento em Nova Venécia, aposentados felizes, o bar do Cabelo, Christopher Lee e Ed Caiado

11 de junho de 2015
Coluna

Diagonal 
Oswaldo Oleari

Evento em Nova Venécia

A convite do professor Adolfo Miranda Oleare (foto), do Instituto Federal de Educação de Linhares, vamos participar de um encontro com um núcleo de estudantes do Movimento dos Sem Terra do Norte do Espírito Santo. 

Vamos blablablá um tiquim sobre os ofícios das comunicações entre outros papos.




Aposentados felizes.
Nos comerciais de tevê.


Postei um artiguim escrito pela filhona Flávia Miranda Oleare sobre novas regras para a aposentadoria - ver aí, ó: http://nageral.donoleari.com.br/2015/06/as-novas-regras-para-aposentadoria.html - e fui pesquisar uns retratim pra ilustrar a coluna Direito Dia a Dia. 

Óia, minha senhora, que fiquei mais embabacado do que o normal. Já repararam como são felizes os aposentados que desfilam nos comerciais de televisão, nas peças do INSS, dos bancos e outras biroscas?

Uai, sô, nada contra aposentado feliz da vida. Também nada contra aposentado branquelim. 
Acontece que o filme que eu vejo pelaí, nas filas de bancos e lotéricas. é outro.

Só vejo neguim - neguim, mulatim, branquelim e pardim - puto dentro dos panos porque aquela senhora de família rica, ex-gorda, ex-guerrilheira, não consegue acertar o desacerto da merreca das aposentadorias.

E, também não menos curioso, todos são branquelim. Óia que fucei o nosso guia, pai e mestre, o Dr. Gugou, e só vi aposentado branquelim, com cara de gringo.

Numvi um só negão - opppssss,  um só afrodescedentão. Nenhum neguim pardim ou mulatim.

Acho quitô pirando diveiz ou não entendo pola - quinemqui diz o japonesim da feira - nenhuma de retratim de aposentado. 



O bar do Cabelo
é uma beleza

Segunda, cumprimos no primeiro turno da repiauar o agradável encontro com o Ilvan Filho (na foto com a empresária Penha Nonato), e a Ivana Esteves, no lançamento do seu livrim prus mininus, "O Mosquitão Malvadão e A Gatinha Dengosa", na Cosette, um misto de cafeteria, loja de livros, discos e outros (fico devendo esse "outros" porque não deu tempo pra ver tudo).

Niquiqui saímos de lá, para o segundo turno, fomos à caça do bar Jalapeño, criado recentemente por um cara dos mais bacanas da cena noturna da Cidade, nosso querido Cabelo. 


O Lucas, da Cosette, a quem perguntamos se sabia onde era o "bar do Ricardo", nos disse que não conhecia nenhum Ricardo, muito menos com bar.

Ahhh, o Cabelo (na foto com Felipe, nosso Hélio De La Peña nativo), foi a senha pro Lucas nos indicar pelo menos a direção pra onde ir. 

E fomos. Numa das oitocentas praças redondas e iguais do Jardim da Penha, fiz uma coisa que gosto de fazer muito niquiqui numsei pronde tô indo, que é perguntar.

Uma moça simpática respondeu: "um bar mexicano?". Pronto, achamos. Belo achado. Lugar "bem bolado", como diria meu caro Eleisson de Almeida.

Na foto aí, a chef Cleide Morais mandando uma marguerita e um petisco: "tudo muito bom", disse ela.



Cheguei, fui entrando e vi nosso grande artista no caixa. Perguntei:

- É aqui que é aqui?

Abraçamos Cabelo - eu, a Lena Mara e a Cleide Morais - e fomos à abertura dos trabalhos. 

À direita, o prato saboreado por Lena Mara, segundo ela, "um petisco delicioso que vocês devem provar dia que voltarem aqui".



Ahhh, gentem, ficamos chateados com o Jalapeño. 

Por que? 

Ora, porque não fomos outras vezes antes e não podíamos ficar até a madruga, pois tinha trampo bem cedo na terça. Quero voltar lá dia desses de a pé, de mula, ou de taxi pra degustar uma caipirinha muito bem servida que vi um vizinho de mesa saboreando.

E repetindo: "tá muito da boa. Se tivesse mais 10 ml de pinga, seria perfeita". O Felipe, que faz parte de um time que só não atende melhor senão estraga, anotou e avisou ao barman.

Mas, quero ir no início do turno das seis, sem pressa e sem compromissos manhã seguinte.

Meu Drácula favorito 


Aos 93 anos, o ator britânico Christopher Lee viajou para outras paragens. Lee éra um bambambam em films de terror e, a meu ver, foi o melhor Drácula de todos os tempos.

Sempre reclamou de diretores dos filmes do famoso vampiro por não permitirem que ele encaixasse falas escritas pelo autor, Bram Stocker. Se for para o inferno, vai atormentar os sonhos daquelas capetinhas.

Se for pro céu, certamente vai se deliciar mordiscando pescocinhos lindos das angélicas donzelas celestiais.

Ed Caiado

Deixo meu abraço solidário à família do jornalista Ed Caiado, que viveu profissionalmente muitos anos na Rádio Espírito Santo.

Lá, Ed começou comigo na Direção de Jornalismo da emissora. Na próxima coluna, falo um tiquim do prezado colega.

donoleari@gmail.com

Pitado do Oleari

Quem quiser participar aí, é só entrar aí embaixo em "comentar". E fiquem à vontade pra elogiar, isculhambá, discutir, concordar, discordar iuiscambau.




COMENTAR

Don Oleari

Recebido do leitor constante Claudio Nelson, que nos acompanha há séculos, desde minha coluna diária no seculodiário, de 2000 a 2005, por imeil:

- Vim aqui através do twitter. Voltar com a coluna é uma ótima ideia. Espero que você consiga refazer o que fazia na coluna do seculodiario e em A Gazeta. Abraços do Claudio Nelson.

Pitaco do Oleari

Claudio Nelson é jornalista, segundo já me disse. Sempre me acompanhou através das colunas e dos programas de rádio. Obrigado por participar e apareça sempre, meu caro.

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ:15.265.070/0001-49