anúncio dopc

anúncio dopc

2016 Repeteco / Floresta recriada tem hoje mais de 100 espécies de árvores nativas - Por José Hamilton Ribeiro

12 de janeiro de 2016
Repeteco das boas de 2015


Outras 30 espécies surgiram pela força da regeneração da natureza. Na floresta apareceram
animais como
capivara, jacu e onça parda.

Do G1 e Globo Rural:

José Hamilton Ribeiro
Mogi-Guaçu, SP

Edição do Globo Rural deste domingo, 6/12/2015

A Conferência Mundial do Clima, realizada na França, tem discutido muito o problema do desmatamento. O Brasil está no foco desse assunto. Há pouco mais de dez anos, o Globo Rural acompanhou o replantio de uma floresta inteira, feito pela mão do homem. Agora, a equipe de reportagem voltou a Mogi Guaçu, São Paulo, para verificar os resultados desse trabalho.

Floresta recriada tem hoje mais de 100 espécies de árvores nativas. Outras 30 espécies surgiram pela força da regeneração da natureza. Na floresta também apareceram animais como capivara, jacu e onça parda.

O Parque São Marcelo fica no município de Mogi-Guaçu, na região de Campinas, a 170 km de São Paulo. Há dez anos, a questão era plantar uma floresta. No lugar havia a plantação de mudas de espécies arbóreas. Em outra área degradada, pertencente à uma empresa de papel e celulose, tinham sido plantadas mudas para surgir uma nova mata.

- “A minha experiência de áreas que eu já vi anteriormente é de 10 a 15 anos para você ter uma mata bem formada a partir de um plantio semelhante a este”, disse o agrônomo diretor do Instituto de Botânica de São Paulo, Luiz Mauro Barbosa, em entrevista concedida em 2004.

A palavra do agrônomo foi pega como um desafio. Depois de pouco mais de 10 anos, o Globo Rural foi conferir.

- “Hoje você está numa sombra de uma mata. Há dez anos, nós estávamos ao lado das mudas”, diz Barbosa.

Muitos projetos de fazer uma mata virgem fracassaram por não levar em conta duas situações: plantio de mudas no mínimo de 80 espécies diferentes, para garantir a diversidade; e dentre as mudas tem de haver as espécies primárias e as secundárias. Primárias são plantas de ciclo curto, mas de rápido crescimento. Elas vão proteger com sombra as espécies secundárias ou definitivas. As secundárias crescem lentamente, mas seu ciclo de vida é longo, contando-se às vezes por séculos.

Na mata virgem, as árvores secundárias estão quase sempre isoladas. Elas não formam colônias. Essa é uma forma de defesa. No caso de uma doença, morre um pé aqui, outro ali, sem afetar a diversidade.

Nas matas plantadas, procura-se imitar a natureza. No caso da Reserva Particular do Patrimônio Natural – RPPN - foram plantadas 101 espécies diferentes de árvores, entre primárias e secundárias. Do alto é possível observar como a reserva já está bem formada.

Outro aspecto importante para a formação de uma mata é a serrapilheira, uma camada de folhas, brotos e pedaços de galhos que se deposita no solo e vai formando uma cama de matéria orgânica. Quanto maior essa camada, mais nutrientes há no solo.

A bióloga Regina Tomoko, que trabalha com o chamado sub-bosque, examinou se na floresta plantada em Mogi-Guaçu já existe presença do sub-bosque, ou seja, plantas de pequeno porte que não foram plantadas e surgiram por si. São arbustos, trepadeiras, bromélias, cipós, parasitas que aparecem em qualquer trecho de uma mata consolidada.

- “No espaço de alguns metros quadrados a gente já identifica alguns indivíduos principalmente que fazem parte do sub-bosque desse reflorestamento. Eu já posso citar uma espécie de subarbusto, que é o piper, o piper arduncum, uma espécie da mesma família da pimenta. A gente tem outro arbustinho aqui que é da família do café, que é a psicótrea, que vulgarmente também é chamado de cafezinho, que faz parte do sub-bosque da floresta”, diz a bióloga.

Quando a noite chega, é hora de uma caçada. Será que essa mata feita à mão está atraindo a fauna? As redes foram armadas no entardecer e os morcegos que enxergam pouco foram caindo. O professor Ariovaldo Pereira, que faz a pesquisa, tem a luva e o jeito de pegar morcego sem perigo.

- “É um morcego frugívoro, conhecido como morcego do figo. É um morcego relativamente comum, inclusive em ambientes urbanos, e é o morcego mais comum da área em que a gente se encontra aqui”, diz.



Trata-se de um morcego que se alimenta de frutas. A espécie fica distante do vampiro, que chupa sangue e transmite raiva. Foram pegos também alguns morcegos insetívoros, também inofensivos.

O lago também ganhou mais água depois que a floresta encorpou.

Segundo o mateiro João Machado, nascido e criado pela região, foram plantadas em torno de 300 mil mudas em toda área e foram encontrados vários tipos de animais dentro da RPPN, como veado, capivara, gambá, jacu e mutum.

- “A gente já tem relato de pessoas que passaram na pista e avisaram que tinham visto uma onça parda. Então tem vários tipos de animais, tem os répteis, as serpentes”, conta.


O agrônomo diretor do Instituto de Botânica de São Paulo Luiz Mauro Barbosa (foto abaixo) relembra que a árvore é mortal: completa seu ciclo, fenece e surge outra em seu lugar. Já a floresta é perene, a menos que haja contra ela uma violência.

Quanto à mata plantada, a cada ano estará cada vez mais vigorosa, com árvores mais altas, troncos mais grossos e com mais galhos, ramos, folhas e frutos. Mas isto não significa que seja necessário esperar cem anos para vê-la em seu esplendor. Na verdade, precisa de menos.

Com vontade e meios, o ser humano pode plantar o que muitas pessoas chamam de mata virgem e, com alguns anos à frente, descansar na sua sombra ou ficar ali ouvindo o canto dos passarinhos. Pode curtir a sensação de que contribuiu com a natureza para sempre.

Segundo um levantamento do Instituto de Botânica de São Paulo, além das 101 espécies de árvores plantadas na área, foram catalogadas outras 30 que surgiram pela força da regeneração da natureza.

Pitaco do Oleari


Não vi o Globo Rural deste domingo. Mas encontrei uma chamada para a matéria, e como o tema sempre me cativou, resolvi dar uma bisorada. Ao ver o nome do autor da reportagem parei pra olhar com calma. José Hamilton Ribeiro é um jornalista muito centrado nos temas da vida natural, da natureza, enfim.


Tive o privilégio de trabalhar com ele em São Paulo na revista Realidade, da Editora Abril, numa pauta sobre casamentos por contrato em Goiás, Mato Grosso, no Centro Oeste.

Lembro como se fosse hoje o José Hamilton chegando na redação da revista Intervalo 2000 - onde fiz algumas matérias - e perguntando ao Isnider Pizzo, um cara muito legal, que sempre tratou o capiau aqui com toda a soliedariedade, quem era o "espíritosantense perdido aqui", que foi como o Milton Coelho da Graça me indicou a ele para aquela pauta.

Sentou e explicou naquele jeito seu meiqui sem rebuscamento pra falar.
- A gente tem uma pauta há muito tempo, mas ainda não conseguiu fazer. Contam que em Goiás e Mato Grosso muita gente "casa por contrato". Quer dizer, não é casório na igreja, é casório no cartório. Casal faz um contrato de 1 ano, se der certo ele renova e assim por diante".

Perguntei se ele tinha alguma referência da região, por onde começar, por exemplo.

Ele respondeu que não e perguntou se eu conhecia o Centro Oeste. Disse que não. Ele perguntou: "você topa fazer?" Diante de um José Hamilton Ribeiro, caramba, o capiau nao podia dizer não. Aceitei. Ele se levantou e disse que ia providenciar tudo para a viagem.

Como não tinha indicações de onde ir, onde ficar, tracei meu rumo. Avião pra Goiânia, ônibus pra Goiás Velho, fui para numa cidadezinha chamada Jussara, nome dado em homenagem a uma miss eleita tempim atrás.

Dali, do festival de moscas da pensão e papos com um taxista comecei a iscarafunchá a vida de casais "casados por contrato". Descobri gente de todas as classes. Inclusive ex-prefeito, pranum se falar dum fazendeiro em Mato Grosso que era casado ao norte da fazenda e tinha outro casório ao sul da fazenda.

É uma das boas lembranças dos quase cinco anos de São Paulo. E continuo acompanhando o grande profissional - ele é professor, também - José Hamilton Ribeiro, como quem lembra de um professor muito estimado e inesquecível (Oswaldo Oleari).

donoleari@gmail.com

No linki abaixo você acompanha um vídeo com o jornalista José Hamilton Ribeiro.

Fonte
http://g1.globo.com/natureza/noticia/2015/12/floresta-recriada-tem-hoje-mais-de-100-especies-de-arvores-nativas.html

COMENTAR

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ:15.265.070/0001-49