anúncio dopc

anúncio dopc

Rubens Pontes: poema deste sábado - Lao-tzu

13 de agosto de 2016
poema de sábado

Lao-tzu (*), mestre do Tao que li esta manhã, escreveu que coisas são produzidas ao nosso redor,
mas ninguém lhes conhece o de onde. 

Elas saem, mas ninguém vê por que porta.
Os homens, todos eles, dão valor àquela porção do conhecimento que é conhecida.

Não sabem como utilizar o Desconhecido a fim de alcançar o conhecimento.
Não é isto um desatino?

Sinto, taoista Oswaldo Oleare,

que os dias estão passando com umavelocidade tão grande que este sábado fica cada vez mais perto do outro sábado que surge como do nada.

Gregório, aquele Papa do calendário, certamente não imaginaria que no futuro esse atropelamento iria ocorrer ou que a Terra - para a Igreja, o centro do Universo - daria voltas cada vez mais ágeis em torno dela mesma para confirmar o pensamento filosófico de Delfim Neto: "o mundo gira e a Lusitana roda".

Neste dia, que, além de sábado, é 13 e é de agosto, benzo-me em silêncio, e me volto para a sabedoria Zen buscando nela refúgiopara meus temores.

Aqueles que sabem não falam;
Aqueles que falam não sabem.

Poemas de Zerin:

Calmamente sentado, nada fazendo
A Primavera chega, a erva cresce por si própria.

Para salvar a vida, deve ser destruído.
Quando totalmente destruído, ficamos em paz pela primeira vez.

Poemas de Chen-tao Ke:

Tal como céu vazio, não tem fronteiras
E contudo está neste local preciso, para sempre preciso e claro.
Quando procuras conhecê-lo, não o vês
Não pode agarrá-lo.

Ninguém vive na Barreira de Fuha;
O telheiro de madeira já ruiu;
Tudo que resta
É o vento de outono.


Poema de Moritake

Uma flor caída
Ao voltar ao ramo?
Era uma borboleta.


Poema de Issa

Este mundo gota de orvalho
Será talvez uma gota de orvalho,
E contudo - contudo.

Um peixe salta;
Nuvens movem-se
No leito do rio.


Do poeta Ryocan

O ladrão
Deixou-a ficar
A lua na janela.

Finalmente, mago Oleare, para esperar o novo sábado, que ainda
não será o último de agosto, a leitura das primeiras palavras do mais
antigo dos poetas Zen, Seng-ts'an:

O perfeito Caminho - Tao - é sem dificuldade,
Salvo no evitar colher e escolher.

Só quando deixas de gostar e aborrecer
Será tudo claramente entendido.
Uma diferença da espessura de um cabelo
E eis separados o céu e a terra!
Se queres alcançar a verdade nua e crua
Não te preocupes com o certo e o errado.
O conflito entre o certo e o errado
É doença da mente.

Ex-totto-corde,


 (*) também conhecido como LaoziLao TzuLao TséLao-TséLáucioLao TziLao TseuLao TzeLao Tan e Li Erhfoi um filósofo e alquimista chinês.





Rubens pontes
é jornalista


COMENTAR

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ:15.265.070/0001-49