anúncio dopc

anúncio dopc

O homem, maior predador da natureza, é o culpado pela seca. E os gestores públicos não fazem nada / Diagonal, coluna do Oleari

8 de outubro de 2016
Diagonal, coluna do Oleari

Ando tão atolado de coisas a fazer pra estruturar a Rádio Clube da Boa Música
que às vezes me perco
Gurinhamemu - sábado, 8 de outubro, 15h21m - caçava uma postagem nos rascunhos e achei esta daqui...que pretendia publicar in antis das inleissão de 2 de outubro. De qualquer maneira, o registro é válido. Então caço a postagem procurada, vamuquivamu por aqui.

Chega de discurso vazio

"Fotogarfei" isso daí duma postagem da Mariana Landeskys, do Capixaba Da Gema, que reúne autores de fotos belíssimas de tudo pelaí, no Espírito Santo, e faz registros também como esse, da foto.
 Foto: Karla Molaiz

Vila Paulista, distrito de Barra de São Francisco, situado na região Noroeste do Espírito Santo. A seca se faz presente (Reflorestamento já!) - 21/7/2016.


Triálogos (um papo com os parceiros José Coco Fontan e Rubens Pontes)


O homem desmatou, usou a terra, exauriu o solo. Nunplantô - nunreplantô - um pezim de imbira, de capim, de capoeira, de nada.

E acha que a seca é um castigo do suposto céu, é culpa dos políticos, é culpa do além. 
O predador maior da natureza, inguinorante quinemqui ele só, só olha pro próprio umbigo.

Niquiqui vejo um véi senhor, véi político véi profissional - o deputado Enivaldo dos Anjos - que sempre esteve empoleirado nos podres poderes, dizendo que defendeu a criação de barragens nas regiões Noroeste e Norte do Espírito Santo, fico quinem bosta nágua: não sei se choro, não sei se dou gargalhadas, meus caros Rubens Pontes e José Coco Fontan.

Discurso falso, de político de aldeia, quinemqui tantos que empesteiam a cena política da velha Capitania do ES.

Barragens? Como, barragens? Vixe, mainha, os rios estão secando e seu dotô aí, sabichão, vem falar me barragem? 
Por que não usa sua influência de coronel político, de dono de rádios, de tempo desfrutando as benesses dos altos cargos, pra lidera uma grande campanha para se repor as matas ciliares - são aquelas matas que ficam às margens de rios (ou ficavam) - para repor capoeirões nos morros e encostas, para reflorestar geral.

Existem recursos disponíveis para isso, existe até, salvo engano do digitador desta linha aqui, programas de distribuição de sementes nativas pro próprio produtor repor vetetações em suas propriedades.

São os eternos discursos vazios, meramente eleitoreiros, oportunistas (Oswaldo Oleari).


Comentários

Os comentários que cupiecolei aqui mostram quinemtudo no feissibuqui está perdido. Vejam o que dizem as pessoas:

Michiko Seo - Plantar ALGAROBAS ajuda no reflorestamento e melhora o clima local. Aprendi isso no México, lugar quente e seco. Aqui na Ásia, há o reflorestamento constante, por isso chove mais de cem dias por ano!

Antonio Martins Nicco Martins - se todos, ao invés de cortar uma árvore, plantassem duas, nao estaria desta forma, esta região seria belissima, veja q tristeza. Aí, anos atraz era muito bonito.

Naythia Matheus Nascí em Vila Paulista, saí ainda criança... que triste ver cena tão trágica, quero rever minha terra natal. Solidária com todos os moradores, abraços!

Mistefânio F. Lopes - Não é a seca que causa o calor e morte dos rios, mas o desmatamento e a exploração dos recursos naturais. Ao fundo da foto tem fumaça....

Diego Junior - Sempre passo por aí, carrego mamão em Pinheiros pra Foz do Iguaçu Paraná, essa aí é rota!

Christo Christo Conheço muito bem esse lugar, trabalho em Córrego do Itaperuninha, então, volta e meia passava por ai...





oswaldo oleari
é radialista/jornalista




COMENTAR

Don Oleari

Comentário no feissibuqui:

Rubens Pontes Eu me lembro do que disse o doutor Ulysses Guimarães, que neste mês faria 100 anos, sobre a corrupção no poder. Contrariando Lord Acton (o poder corrompe semprer) o senhor das Diretas retrucou: o Poder não corrompe; o homem é que corrompe o Poder. Corrompe os costumes, corrompe a natureza, corrompe o poder.

COPYRIGHT© 2007-2014 Don Oleari Ponto Com - Todos os direitos reservados - aldeia verbal produções e jornalismo - CNPJ:15.265.070/0001-49